Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



"This too shall pass" - uma história enviada por um monge amigo

por Clísteres e Pulgas, em 30.04.12

 

Once a king called upon
all of his wise men and asked them, ” Is there a mantra or suggestion
which works in every situation, in every circumstances, in every place and
in every time. In every joy, every sorrow, every defeat and every victory?
One answer for all questions? Something which can help me when none of you
is available to advise me? Tell me is there any mantra?”

 

All the wise men were
puzzled by the King’s question. They thought and thought. After a lengthy
discussion, an old man suggested something which appealed to all of them.
They went to the king and gave him something written on paper, with a
condition that the king was not to see it out of curiosity.

 

Only in extreme danger,
when the King finds himself alone and there seems to be no way, only then
he can see it. The King put the papers under his Diamond ring.

 

Some time later, the
neighbors attacked the Kingdom. King and his army fought bravely but lost
the battle. The King had to flee on his horse. The enemies were
 following him. getting closer and closer. Suddenly the King found
himself standing at the end of the road - that road was not
going anywhere. Underneath there was a rocky valley thousand feet deep. If
he jumped into it, he would be finished…and he could not return because it
was a small road…the sound of enemy’s horses was approaching fast. The
King became restless. There seemed to be no way.

 

Then suddenly he saw the
Diamond in his ring shining in the sun, and he remembered the message
hidden in the ring. He opened the diamond and read the message. The
message was - ” THIS TOO SHALL PASS”

 

The King read it. Again
read it. Suddenly something struck him- Yes ! This too will pass. Only a
few days ago, I was enjoying my kingdom. I was the mightiest of all the
Kings. Yet today, the Kingdom and all his pleasure have gone. I am here
trying to escape from enemies. Like those days of luxuries have gone, this
day of danger too will pass. A calm came on his face. He kept standing
there. The place where he was standing was full of natural beauty. He had
never known that such a beautiful place was also a part of his Kingdom.

 

The revelation of the
message had a great effect on him. He relaxed and forgot about those
following him. After a few minutes he realized that the noise of the
 horses and the enemy coming was receding. They moved into some other
part of the mountains and were near him.

 

The King was very brave.
He reorganized his army and fought again. He defeated the enemy and
regained his empire. When he returned to his empire


after victory, he was received with much fanfare. The whole capital
was rejoicing in the victory.

 

Everyone was in a festive
mood. Flowers were being showered on King from every house, from every
corner. People were dancing and singing. For a moment King said to himself,”
I am one of the bravest and greatest King. It is not easy to defeat me.
With all the reception and celebration he saw an ego emerging in him.

 

Suddenly the Diamond of
his ring flashed in the sunlight and reminded him of the message. He open
it and read it again: “THIS TOO SHALL PASS”.

 

He became silent. His face
went through a total change - from the egoist he moved to a state of utter
humbleness. If this too is going to pass, it is not yours. The defeat was
not yours, the victory is not yours. You are just a watcher. Everything
passes by. We are witnesses of all this. We are the perceivers. Life comes
and goes. Happiness comes and goes. Sorrow comes and goes.

 

Now as you have read
this story, just sit silently and evaluate your own life. This too will pass.
Think of the moments of joy and victory in your life. Think of the moment
of Sorrow and defeat. Are they permanent ? They all come and pass away.

 

Life just passes away.
There is nothing permanent in this world. Every thing changes except the
law of change. Think over it from your own perspective. You have seen all
the changes. You have survived all setbacks, all defeats and all sorrows.
All have passed away. The problems in the present, they too will pass
away. Because nothing remains forever. Joy and sorrow are the two faces of
the same coin. They both will pass away.

 

You are just a witness
of change. Experience it, understand it, and enjoy the present moment -
this too shall pass! When you constantly live in the present MOMENT what
will happen is that you stay connected…egoless. This “egolessness” brings
oneness with the force around us all the time. Grace is always around. We
have our umbrella open to prevent that “Grace” from drenching our soul.
Close the umbrella and you will experience that oneness!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:25

Faith and devotion

por Clísteres e Pulgas, em 29.04.12

Gosto de casamentos. Não gosto de casamentos. Esquizofrenia? Sim, em doses moderadas. Gosto de pessoas que gostam de pessoas, gosto de pessoas que não perdem a fé nas outras pessoas, gosto de pessoas que fazem tudo para manter a sua fé intacta. Para mim, a fé, apresente-se essa das maneiras mais insondáveis e nos mais variados formatos, é algo moldável e maleável. Normalmente, quando falamos em fé, falamos numa crença "cega" e incondicional. O facto de ser cega, já a condiciona. Ainda assim, falamos de esperança, de tentar, de arriscar. No final, resta saber que demos o nosso melhor, isto é, consoante o que nos foi permitido e mediante a força que tinhamos à nossa disposição. Se o resultado for positivo (e este resultado nem sempre se apresenta no final, pode aparecer a meio, como uma janela de pop-up), óptimo; se for menos positivo, nada se perdeu, há sempre um instante de aprendizagem nas coisas da vida. É legítimo dizer, "dispensava aprender certas coisas". True. So true. Porém, o que é a vida se não um pequeno laboratório de experiências? Dois papéis nos concernem - experimentador ou cobaia. Por vezes, os dois ao mesmo tempo. Again, esquizofrenia. Mas é difícil escapar à vida. Por isso, gosto de casamentos e não gosto. Porquê? Ele há dias e dias. Imporém, hoje é dia de gostar de casamentos. Nem as circunstâncias mais desfavoráveis, impedem as pessoas, algumas pessoas...de deixarem de ter fé e devoção pelos outros. E isso, nunca poderá ser algo feio. Naïf? Talvez. Apaixonante? Sim. E nisto, sim, tenho a certeza: gosto de paixão.

 

"You can fulfill
Your wildest ambitions
And I'm sure you will
Lose your inhibitions
So open yourself for me
Risk your health for me
If you want my love"

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:12

Sinto falta de...

por Clísteres e Pulgas, em 23.04.12

Como descrever a falta de algo que nunca se teve? Se nunca experimentámos, como é que podemos dizer que queremos algo? É como o oposto, dizer que não se gosta de algo quando nunca se provou ou experimentou. Mas nem estes raciocínios me impedem de sentir que falta qualquer coisa. Se o que falta me faz, de facto, falta fará, não sei. Pelos vistos, pouco ou nada sei. Maravilhosa estupidez.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:41

Come together

por Clísteres e Pulgas, em 19.04.12

Right now, over me. Yeah, baby. That's the real thing.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:39

The weight of absence. The smell. (Repescagem)

por Clísteres e Pulgas, em 19.04.12
Still salty. Still tasty. It’s an urge.
The need of desiring what cannot be taken or possessed.
Blessed, is something broken that viciously, works perfectly on showing others their flaws and vulnerabilities.
Proudly fixed, it grows into something even more static.
Stainless, pointless, squared, largely obtuse, professionally blunt. In one word, loveless.
The immaculate lungs can’t breathe no love, the spotless heart can’t fear no love.
The point? To be pointless.
A life firmly wrapped with important and substantial facts, that it becomes impossible, for just once, one to pop-up.  
So it aims directly to nowhere, it has the goal to find the core of everything.
But always without getting in touch with it.
It has all the outfit for winter time, yet,
it can’t feel the desirable warmth coming from the fabric involving its body.
It’s expensive. He’s expensive. Cashmere.
Quotes a subtle status but it doesn’t bring any commitment to the class.
It has no group. Though there relies the recognition of the peers, it acts like having no peers.
He’s not engaged with no entity, no group, no secret brotherhood.
Everything he does is clear, despite the disturbing  lack of light in his life.
There’s no night, but same time, there’s no light.
It’s a very narrow type of clairvoyance. It’s clear? Yes. It has a vision. Certainly.
Every day, sharp as a clock, blunt as a knife. For whom?
To the entire world, to the good of society, to the big picture.
A blur, a smudge, the emptiness. Zen. Zen?
A drop in the ocean.
It’s salty. Still. Tasty. Desirable. Granted. Enormous.
Feng-shui. 
We get lost.
Knock, knock.
Who’s there? The sea.
Tears revolving a face. 
Still tasty.  
It’s salty. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:21

Retiro (o) espiritual

por Clísteres e Pulgas, em 15.04.12
WTF? O que é um retiro espiritual? Para que serve? Como se faz? O que se retira? Quem se tira? O que é que fica? Com quem ficamos? E nós, ficamos lá? Ou partimos? O que nos é retirado, é para ser melhorado e devolvido? Quimioterapia espiritual? Removemos um temor? Encaramos de frente o nosso private horror show? Claramente, estou encalhada na idade dos porquês. Sinto-me como se tivesse passado por um almofariz. Moída, dispersa, porém, compacta, partida, mas com todas as partículas amontoadas à minha volta. Sou um pilha, não só de nervos, mas de erros. Corro milhas e para quê? Para aonde corremos nós? Será que se juntar essas milhas irei ganhar alguma coisa? Se sim, o quê? Mais milhas? Mais pilhas! Tragam lá o almofariz. Vamos lá retirar o espiritual do meu espírito. Parece-me tudo muito sobrenatural. Retirar energias para ganhar mais energias? Naaaa. A deal with the devil. Bring your bowl, Breake my boooones, Trade my soul, Bring me a white hole spirit. Amen.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:13

Closure, esse buraco negro

por Clísteres e Pulgas, em 08.04.12

O meu estado de espírito neste momento: sonolência. Espero que este não me tolde o pensamento, contudo, apetece-me escrever quelque chose. A couple of hours e termina a Páscoa. O que é que com ela veio, o que ficou e o que foi? Dividiu-se o mal pelas aldeias e tivemos um pouco de tudo. Amigos que partiram para bem longe, embarcados; para mim, foi-se um porto de abrigo. À(s) custa(s) de quem? Bad guys. Vilões. My loss? Their loss. I'll be back, ficou claro nas entrelinhas. I'll be back, for you, not for them. Fico entristecidamente segura à espera do regresso. Os outros, esses que se lixem. Mais coisas... Coisas más, corrijo, coisas alegadamente más, que haviam surgido e repentinamente ido embora, voltaram. What comes around, goes around. Afinal, uma porta para ser fechada tem de ser aberta. E o inverso. Uma porta aberta pode também ser uma porta em vias de ser fechada... Ou não. Uma coisa tem sempre que ver com a outra.

 

 O eterno retorno, a complementaridade da realidade. Por vezes, temos de deixar as pessoas, as coisas partirem para mais tarde, se assim estiver destinado, voltarem. Porquê a necessidade de pôr um ponto final, de colocar os pontos nos i's, de encerrar o assunto? O que advirá de tal feito? E que feito? Don't get me wrong. Nada contra pôr as cartas na mesa. Mas virar a mesa ao contrário? Vasculhar as gavetas? Catalogar tudo e guardar num arquivo? Fazer limpezas na primavera? Já era. Há que saber escolher as nossas lutas. Don't ask, don't tell? Não. It's not me, it's you? Talvez. "If you love a lot, you lie a lot?". Sim. Por isso, por vezes, pôr uma pedra sobre o assunto pode, acidentalmente, criar uma cratera e não selar as fissuras. Clister ou purga? Depende dos dias. Clister e purga? Most of the times. O ideal? No hago puta idea. Perdoem-me o palavreado. Abracemos a nossa impotência e tratemos dela com algum pejo e bastante brio. Onde há impotência já houve poder. Um deu lugar ao outro. E tudo tem a sua razão de ser. Por isso, usando a gíria do volley, "viroooou". Joga-se até ao último ponto. Tudo pode acontecer. É essa a magia da vida. É esse o milagre da Páscoa. I'll be back, disse Ele. Realidade ou ficção, deu-nos esperança. É nosso dever e devir aceitar isto.

 

Páscoa, see you next year. Godspeed.

   

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:51

Sentimento de (in)justiça

por Clísteres e Pulgas, em 03.04.12

Hoje de manhã, ia a caminho do ginásio, calma e serena, Iphone a tocar as minhas músicas, um começo de dia perfeito. Algures no caminho, à distância, reparo numa rapariga sentada no passeio, claramente com frio, tentava cobrir os seus pés com a saia comprida que carregava no corpo. Digo carregada, pois, parece-me óbvio que, não terá aberto o seu closet e pensado: hmmm...o que é que vou vestir hoje? - Pessoas assim, sem escolhas, sem opções, não vestem roupas. Têm uniformes, fardamentos. Aquela saia azul (insuficientemente) comprida é a sua farda. Até as dos presidiários têm mais cor, mais opções - com riscas, sem riscas, laranjas, medium, large, xl... - pelo menos o meu imaginário diz-me que assim será. E têm refeições quentes diariamente e servidas dignamente. É um direito deles. Mas esta rapariga, "indigente", nem a isso tem direito. Talvez no seu imaginário, imagine, um dia, vir a viver assim, com opções. Já eu, no meu mundo confortável do qual não me sinto culpada ou envergonhada por nele viver, só me ocorreu abrir a mala, tirar o meu lanche do dia e dar-lho. Comprar-lhe-ia o resto do mundo, se isso fosse possível. Imporém seria. Porém, acredito que, o meu simples lanche ter-se-á tornado num dos momentos mais importantes do seu dia. Estas pessoas sim, vivem um dia de cada vez. Arrogância ou não, espero que o meu gesto tenha tido algum efeito. Desespero meu, gostava que não fossem necessários mais gestos como este... O mundo sobreviveria bem sem a minha arrogância.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:47

Apetece-me um bolo.

por Clísteres e Pulgas, em 01.04.12

Easter, I will survive. Bring it on.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:58

A minha páscoa é pequena, mas os meus pés não!

por Clísteres e Pulgas, em 01.04.12

1ª competição oficial de 10k, total - 1h. Para quem resolveu fazer inscrição para uma corrida uma semana antes, não foi mau. Como dizem os outros, just do it. I did it. Venham as outras.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:54

Pág. 1/2



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D

subscrever feeds